Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

16 de April de 2024

Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

Rascunho automático

Compartilhe:

Uma moradora de uma cidade da Costa do Descobrimento enfrentou uma gravidez indesejada em segredo, fez a entrega voluntária do bebê para adoção e se arrependeu em tempo de recuperar a guarda. Mas ter sua criança de volta não foi tão simples e ela precisou da atuação da Defensoria Pública da Bahia (DPE/BA).

Foram 47 dias até conseguir rever o filho. Através da DPE/BA, a mulher realizou exame de DNA para comprovar ser a mãe biológica do bebê que tinha entregue dizendo ser de outra pessoa, e conseguiu a reintegração do poder familiar.

Agora, ela só pensa em recuperar os dias de contato com o filho que foram perdidos. Enquanto o bebê estava institucionalizado, a genitora corria atrás dos trâmites legais para tê-lo de volta e sequer podia ver fotos da criança. “Foram os 47 dias mais difíceis da minha vida. Eu passava as noites em claro, sem conseguir dormir, sem alegria, pensando nele”, desabafou.

“A criança sequer tinha certidão de nascimento, conseguimos garantir a guarda apenas com o exame de DNA. A celeridade com que conseguimos provar que Ângela (nome fictício) é a genitora biológica foi essencial para evitar que o bebê fosse disponibilizado para adoção”, avalia o defensor público Fábio Fonseca.

Após o resultado do exame, a Defensoria ingressou com uma ação judicial para reconhecimento de maternidade e liminar de guarda provisória. De acordo com Fábio, caso o arrependimento tivesse ocorrido muito tempo depois da entrega, a discussão sobre a guarda deveria ser feita no âmbito do processo de adoção, tornando a situação ainda mais complexa.

Com a guarda deferida, o bebê voltou para os braços da genitora e ambos tiveram garantido o direito ao aleitamento materno. Agora, as partes aguardam os trâmites para reconhecimento de maternidade e registro de nascimento da criança.

 

Acolhimento

Mãe solo de duas crianças, a mulher já havia escutado diversas críticas desde a primeira gestação, que aconteceu quando ainda era menor de idade.

“Quando descobri a terceira gravidez, sabia que ia lidar com o julgamento da minha família. Por isso escolhi esconder de todo mundo”, lembra.

O medo de ser criticada era tamanho que, mesmo após ter acesso às informações sobre como proceder para fazer a entrega voluntária, ela hesitou em comparecer à Vara da Infância e Juventude da cidade de residência para manifestar sua vontade. “Meu receio era encontrar algum conhecido e ser descoberta.”

Foi assim que, após nove meses de gestação e sofrimento psicológico, Ângela deu à luz sozinha e fez a entrega ao Conselho Tutelar. “No momento em que tiraram ele do meu braço, meu coração já doeu. Entreguei com o coração partido, mas acreditando que seria o melhor”, lembra.

 

Entrega voluntária para adoção

Prevista pelo ECA, a entrega voluntária é um direito das pessoas que gestam e visa garantir a integridade e os interesses da criança. Por outro lado, desamparar ou expor um bebê a perigo constitui crime de abandono de recém-nascido, descrito no artigo 134 do Código Penal.

A Lei 13.509/2017 determina que gestantes ou mães com interesse em entregar a criança para adoção devem ser encaminhadas à Justiça da Infância e Juventude, onde passarão por avaliação de uma equipe multidisciplinar.

A lei de entrega voluntária prevê a possibilidade de desistência dos genitores que pode ser manifestada em audiência ou perante a equipe interprofissional. Hipótese em que a criança será mantida com os genitores e determinada pela Justiça da Infância e da Juventude, acompanhamento familiar pelo prazo de 180 dias. E, mesmo após extinção do poder familiar, a Resolução 485/2023 confere o prazo de 10 dias para arrependimento dos genitores.

 

Fonte: Ascom/DPE – Foto: Agência Brasil

 

Compartilhe:

Leia mais

Policia Civil
Arma apreendida
Passaros apreendidos
Ambulancias
UFSB
Acessibilidade Bombeiros
Dengue
Reuniao indígenas
Capacitacao ambiental
Foragido preso
Identidades aldeia de Prado
Reuniao liderancas indigenas capa

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados