Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

28 de May de 2024

Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

Liberdade de imprensa no mundo nunca esteve tão ameaçada, diz Repórteres Sem Fronteira

Compartilhe:

Chegada de Trump ao poder nos EUA ‘precipitou a caça aos jornalistas’, diz ONG.
 
A liberdade de imprensa no mundo está mais ameaçada do que nunca devido a informações falsas e à retórica contra a mídia de líderes como Donald Trump, adverte o relatório anual da RSF, que deplora a grave situação no México.
A chegada de Trump ao poder nos Estados Unidos “precipitou a caça aos jornalistas”, afirma o relatório do Repórteres Sem Fronteiras (RSF) divulgado nesta quarta-feira (26).
Ao acusar a imprensa de publicar informações falsas, Trump “não apenas compromete uma longa tradição americana de luta pela liberdade de expressão”, mas também “contribui para desinibir os ataques contra a imprensa no mundo”, destaca a ONG.
“Nada parece deter o retrocesso nas democracias” e países considerados como “virtuosos” retrocedem na classificação da RSF, como EUA (- 2 posições para 43º), Grã-Bretanha (- 2 para 40º) e Chile (- 2 para 33º).
Na lista, liderada pela Noruega e encerrada pela Coreia do Norte, 72 países se encontram em situação “difícil” ou “muito grave”, como China (176º) e Cuba (173º), onde a morte de Fidel Castro, “um dos piores depredadores da liberdade de imprensa no mundo”, não alterou o “monopólio do Estado sobre a informação”.
Neste grupo em situação “difícil” se destacam ainda Rússia (148º) México (147º), Honduras (140º), Venezuela (137º), Colômbia (129º), Guatemala (118º), Paraguai (110º) e Nicarágua (92º).
México, o país mais perigoso depois de Síria e Afeganistão
A RSF destaca o caso do México, que em 2002 ocupava a 75ª posição e hoje caiu para a 147ª. Em 2016, dez jornalistas foram assassinados no país e “março de 2017 foi marcado por ataques em série”. O país “segue gangrenado pela corrupção e a violência do crime organizado, especialmente em nível local”.
Em termos de risco para a vida dos jornalistas, a organização coloca o México atrás apenas de Síria (177º) e Afeganistão (120º) em 2016.
No mesmo grupo, a Turquia de Recep Tayyip Erdogan ocupa o 155º lugar, caindo 56 posições em 12 anos. O país se transformou na “maior prisão do mundo”, segundo a RSF.
No total, 59 países se encontram em situação sensível e apenas 49 apresentam condições “boas ou mais ou menos boas”, incluindo Costa Rica (6º), Espanha (29º), Uruguai (25º) e Chile (33º).
Por regiões, a liberdade de imprensa piorou em todas a partir de 2013, e a mais difícil e perigosa para os jornalistas segue sendo o Oriente Médio e o norte da África, seguida pelo leste da Europa, Ásia Central, Ásia-Pacífico, África, América e Europa Ocidental.
A Europa registrou seu maior retrocesso nos últimos quatro anos, com a aprovação de leis contra a liberdade de imprensa e ataques de líderes “anti-sistema” que, como Trump, tratam de desacreditar a mídia, a exemplo do britânico Nigel Farage e do italiano Beppe Grillo.
 
 

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados