Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

14 de June de 2024

Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

‘Fervura global’: julho de 2023 é confirmado como o mês mais quente da História; veja fotos Período foi marcado por ondas de calor e incêndios em todo o mundo

Compartilhe:

Julho de 2023 quebrou amplamente o recorde do mês mais quente registrado na Terra, com 0,33 grau Celsius a mais que o recorde anterior de julho de 2019, anunciou o observatório europeu Copernicus nesta terça-feira (8).

O mês passado também foi marcado por ondas de calor e incêndios em todo o mundo, com temperaturas médias na atmosfera 0,72 grau acima das médias recentes de julho entre 1991 e 2020.

Em 27 de julho, antes mesmo do final do mês, os cientistas consideraram “extremamente provável” que julho de 2023 fosse o mês mais quente já registrado, entre todas as estações juntas.

Nas palavras do secretário-geral da ONU, António Guterres, a humanidade saiu da era do aquecimento global para entrar na da “fervura global”.

Os oceanos também são vítimas deste fenómeno preocupante: as temperaturas registadas à superfície do mar são anormalmente elevadas desde abril, e os níveis registrados em julho são inéditos.

O recorde absoluto foi quebrado em 30 de julho, com 20,96 graus. Ao longo do mês, a temperatura da superfície do mar ficou 0,51 grau acima da média (1991-2020).

Acabamos de testemunhar novos recordes para as temperaturas globais do ar e da superfície do oceano em julho. Esses recordes têm consequências terríveis para as populações e para o planeta, que estão expostos a eventos mais extremos, frequentes e intensos — disse Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço Europeu de Alterações Climáticas Copernicus (C3S).

Sinais do aquecimento global causado por atividades humanas – a começar pelo uso de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás) – surgiram simultaneamente em todo o mundo.

A Grécia sofreu grandes incêndios, como o Canadá, que por outro lado foi vítima de inundações. Sucessivas ondas de calor no sul da Europa, norte da África, sul dos Estados Unidos e partes da China têm sido esmagadoras.

A rede científica World Weather Attribution (WWA) já concluiu que as recentes ondas de calor na Europa e nos Estados Unidos teriam sido “virtualmente impossíveis” sem o efeito da atividade humana.

O Copernicus também indica que o gelo marinho da Antártida atingiu seu nível mais baixo em um mês de julho desde o início das observações por satélite, 15% abaixo da média desse mês.

Terceiro ano mais quente

“2023 é o terceiro ano mais quente até agora, com 0,43 grau acima da média recente” e “uma temperatura média global de julho de 1,5 grau acima dos níveis pré-industriais”, acrescentou Samantha Burgess.

Este valor de 1,5 grau é simbólico porque é o limite mais ambicioso estabelecido pelo acordo de Paris de 2015 para limitar o aquecimento global. No entanto, o limiar a que se refere este acordo internacional refere-se a médias de muitos anos e não de um único mês.

Embora tudo isso seja apenas temporário, mostra a urgência de esforços ambiciosos para reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa, que são a principal causa desses recordes — conclui Samantha Burgess.

E o ano de 2023 pode não ter terminado de bater recordes.

“Espera-se um final de ano relativamente quente devido ao desenvolvimento do fenômeno El Niño”, lembra Copernicus.

Esse fenômeno climático cíclico sobre o Pacífico é sinônimo de aquecimento global adicional.

 

 

 

 

Compartilhe:

Leia mais

Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa
Policia Civil

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados