Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

23 de July de 2024

Ouça a Caraipe fm

Play
Pause

O Dia Mundial do Leite, 1º de junho, reforça a importância da bebida de alto valor nutricional

Compartilhe:

Rico em vitaminas e proteína, alimento ainda é indispensável na rotina.

Não é por acaso que o primeiro alimento humano é o leite materno. É ele que garante nos primeiros meses de vida a redução dos índices de mortalidade, a diminuição nos riscos de alergia e diabetes, entre outros benefícios ao longo dos anos, graças à sua composição nutricional. Com o tempo, ele continua na dieta do homem, mas em quantidades menores. Seja puro ou derivado, esse é um produto que merece mesmo ser exaltado no próximo 1º de junho, Dia Mundial do Leite, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO/ONU).

A data surgiu em 2001, para incentivar o consumo em mais de 80 países que celebram esse dia. Atualmente, o Brasil ocupa a 65ª posição no consumo mundial de produtos lácteos, com média anual de 169 litros por pessoa. Número ainda abaixo da expectativa, ainda de acordo com a ONU que estabelece até 220 litros por ano como o ideal.

Em pesquisa realizada pela Embrapa Gado de Leite/Centro de Inteligência do Leite, durante a pandemia, os lugares que tiveram um consumo considerável foram Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Goiás. De fato, os 27 municípios que integram a bacia leiteira de Pernambuco sofrem prejuízo com a alta dos alimentos que servem de ração animal, aumentando os custos da produção.
Qual o mais indicado?

De uns tempos pra cá, aumentou o interesse do público no chamado leite vegetal. Mas antes de ir nessa categoria, é bom entender suas diferenças em relação ao tipo comum. Nutricionistas são unânimes ao explicar que o leite inte­gral possui vitaminas A e D, além de concentrar 3% de gordura, en­quanto o desnatado tem em média 0,5%.

Já o principal trunfo do que é extraído de vegetais é o fato de ser livre de lactose, sendo ideal para pessoas que sofrem de alergias ou intolerância a essa substância. “Enquanto a proteína do leite de vaca e a lactose dificultam a digestão, as bebidas vegetais são ricas em fibras, que auxiliam o funcionamento do intestino e combatem a prisão de ventre”, explica Renata Nascimento, proprietária do Tulasi Mercado Orgânico.

Ela também explica que, por não ser de origem animal, os leites vegetais também são livres de colesterol e o baixo índice glicêmico – o açúcar leva mais tempo para chegar ao sangue – evita os picos de glicose e o desenvolvimento da diabetes tipo 2. Isso além de promover uma maior saciedade, o que é benéfico para a perda de peso. Entram nesta categoria os leites de coco, amêndoa e de castanha, por exemplo.

Variedade gastronômica

Gastronomicamente falando, o leite serve de base para grandes clássicos culinários. Manteiga, iogurte e leite condensado são feitos a partir deles. Além da infinita variedade de queijos – frescos, brancos, amarelos, maturados. Sem esquecer dos gelados italianos, nem do molho béchamel (molho branco), do afetivo pudim, dos bolos caseiros e arroz doce. Tem até kefir de leite. Polêmicas nutricionais à parte, não há como desdenhar de um alimento tão onipresente na cultura ocidental.

Compartilhe:

Leia mais

Forum Itabela
Investimentos da Apple na Bahia
PRF
Processo contra deputados
Demarcação terra indigena
Acao MPF
Bicho preguiça resgatado
Cumprimento mandados
Estudo de potencial
Sac Movel
Recursos assentamentos capa
Hospital Costa das Baleias capa

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados